quarta-feira, 29 de outubro de 2014

domingo, 19 de outubro de 2014

Rosário - Vinicius de Moraes








Rio de Janeiro , 1946

E eu que era um menino puro 
Não fui perder minha infância 
No mangue daquela carne! 
Dizia que era morena 
Sabendo que era mulata 
Dizia que era donzela 
Nem isso não era ela 
Era uma moça que dava. 
Deixava... mesmo no mar 
Onde se fazia em água 
Onde de um peixe que era 
Em mil se multiplicava 
Onde suas mãos de alga 
Sobre meu corpo boiavam 
Trazendo à tona águas-vivas 
Onde antes não tinha nada. 
Quanto meus olhos não viram 
No céu da areia da praia 
Duas estrelas escuras 
Brilhando entre aquelas duas 
Nebulosas desmanchadas 
E não beberam meus beijos 
Aqueles olhos noturnos 
Luzindo de luz parada 
Na imensa noite da ilha! 
Era minha namorada 
Primeiro nome de amada 
Primeiro chamar de filha... 
Grande filha de uma vaca! 
Como não me seduzia 
Como não me alucinava 
Como deixava, fingindo 
Fingindo que não deixava! 
Aquela noite entre todas 
Que cica os cajus! travavam! 
Como era quieto o sossego 
Cheirando a jasmim-do-cabo! 
Lembro que nem se mexia 
O luar esverdeado 
Lembro que longe, nos Ionges 
Um gramofone tocava 
Lembro dos seus anos vinte 
Junto aos meus quinze deitados 
Sob a luz verde da lua. 
Ergueu a saia de um gesto 
Por sobre a perna dobrada 
Mordendo a carne da mão 
Me olhando sem dizer nada 
Enquanto jazente eu via 
Como uma anêmona na água 
A coisa que se movia 
Ao vento que a farfalhava. 
Toquei-lhe a dura pevide 
Entre o pêlo que a guardava 
Beijando-lhe a coxa fria 
Com gosto de cana brava. 
Senti à pressão do dedo 
Desfazer-se desmanchada 
Como um dedal de segredo 
A pequenina castanha 
Gulosa de ser tocada. 
Era uma dança morena 
Era uma dança mulata 
Era o cheiro de amarugem 
Era a lua cor de prata 
Mas foi só naquela noite! 
Passava dando risada 
Carregando os peitos loucos 
Quem sabe para quem, quem sabe? 
Mas como me seduzia 
A negra visão escrava 
Daquele feixe de águas 
Que sabia ela guardava 
No fundo das coxas frias! 
Mas como me desbragava 
Na areia mole e macia! 
A areia me recebia 
E eu baixinho me entregava 
Com medo que Deus ouvisse 
Os gemidos que não dava! 
Os gemidos que não dava... 
Por amor do que ela dava 
Aos outros de mais idade 
Que a carregaram da ilha 
Para as ruas da cidade 
Meu grande sonho da infância 

Angústia da mocidade.
FOTO: Enviada via FB, pelo amigo ERIC COHEN

sábado, 18 de outubro de 2014

Cantando na Chuva , sem a música - Gene Kelly

Assista aos vídeos com Gene Kelly dançando e cantando na cena antológica do filme Cantando na chuva.

No primeiro vídeo Gene Kelly dança e canta na chuva, sem a famosa música Cantando na Chuva, que virou uma das cenas ícones do cinema americano. Ficou muito engraçado a vídeo sem a trilha sonora.

E no segundo vídeo a cena clássica, de Gene Kelly dando um show Cantando na Chuva

Lanço um desafio para que façam esse vídeo sem a chuva e com a música, já que a falta de chuva está pegando forte no sudeste do Brasil.





Vídeo publicado na TV UOL

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Flora Maria - Partiu e deixa saudade.

Olhos cor de mel, zen, alegre, amiga e companheira. 
Alegrou por 14 anos a vida de minha filha.
Amada e querida por todos que a conheceram, até por quem não a conheceu ou não era cachorreiro.
Conquistava a todos pela sua beleza e docilidade.
Quase atropelada numa noite chuvosa e fria de São Paulo, levada para casa, tratada, agasalhada, alimentada. Conheceu muitos lugares, viveu amada e paparicada.
Retribuiu com fidelidade, amizade e muitas lambidas.
Partiu, vai deixar lembranças, vazio e saudade. Foi feliz.
Linda companheira, reencarne e volte para nós.









Friedrich Nietzsche - Pensamentos


                     Friedrich Nietzsche com sua irmã Elizabeth, enfermo já no final de sua vida


Neste post, reunimos os 99 aforismos compilados por Allan Percy, para a Revista Bula


1 — Quem tem uma razão de viver é capaz de suportar qualquer coisa.

2 — O destino dos seres humano é feito de momentos felizes e não de épocas felizes.

3 — Nós nos sentimos bem em meio à natureza porque ela não nos julga.

4 — Precisamos pagar pela imortalidade e morrer várias vezes enquanto estamos vivos.

5 — O valor que damos ao infortúnio é tão grande que, se dizemos a alguém “Como você é feliz!”, em geral somos contestados.

6 — Nossos tesouro está na colmeia de nosso conhecimento. Estamos sempre voltados a essa direção, pois somos insetos alados da natureza, coletores do mel da mente.

7 — A palavra mais ofensiva e a carta mais grosseira são melhores e mais educadas que o silêncio.

8 — Nossa honra não é construída por nossa origem, mas por nosso fim.

9 — O homem que imagina ser completamente bom é um idiota.

10 — As pessoas que nos fazem confidências se acham automaticamente no direito de ouvir as nossas

11 — Precisamos amar a nós mesmos para sermos capazes de nos tolerar e não levar uma vida errante.

12 — Só quem constrói o futuro tem o direito de julgar o passado.

13 — Alegrando-se por nossa alegria, sofrendo por nosso sofrimento — assim se faz um amigo.

14 — Não devemos ter mais inimigos que as pessoas dignas de ódio, mas tampouco devemos ter inimigos dignos de desprezo. É importante nos orgulharmos de nossos inimigos.

15 — O sucesso sempre foi um grande mentiroso.

16 — O homem é algo a ser superado. Ele é uma ponte, não um objetivo final.

17 — Falar muito de si mesmo pode ser uma forma de se ocultar.

18 — As pessoas nos castigam por nossas virtudes. Só perdoam sinceramente nossos erros.

19 — O reino dos céus é uma condição do coração e não algo que cai na terra ou que surge depois da morte.

20 — O homem é, antes de tudo, um animal que julga.

21 — A melhor arma contra o inimigo é outro inimigo.

22 — Os maiores êxitos não são os que fazem mais ruído e sim nossas horas mais silenciosas.

23 — O indivíduo sempre lutou para não ser absorvido por sua tribo. Se fizer isso, você se verá sozinho com frequência e, às vezes, assustado. Mas o privilégio de ser você mesmo não tem preço.

24 — Quem é ativo aprende sozinho.

25 — Nossas opiniões são a pele na qual queremos ser vistos.

26 — Não há razão para buscar o sofrimento, mas, se ele surgir em sua vida, não tenha medo: encare-o de frente e com a cabeça erguida.

27 — A razão começa na cozinha.

28 — O futuro influi no presente da mesma maneira que o passado.

29 — Não deveríamos tentar deter a pedra que já começou a rolar morro abaixo; o melhor é dar-lhe impulso.

30 — A maneira mais eficaz de corromper o jovem é ensiná-lo a admirar aqueles que pensam como ele e não os que pensam de forma diferente.

31 — Toda queixa contém em si uma agressão.

32 — No amor sempre existe algo de loucura e na loucura sempre existe algo de razão.

33 — Quem deseja aprender a voar deve primeiro aprender a caminhar, a correr, a escalar e a dançar. Não se aprende a voar voando.

34 — Quem luta contra monstros deve ter cuidado para não se transformar em um deles.

35 — São muitas as verdades e, por esse motivo, não existe verdade alguma.

36 — A mentira mais comum é a que o homem usa para enganar a si mesmo.

37 — Deveríamos considerar perdido o dia em que não dançamos nenhuma vez.

38 — Há mais sabedoria no seu corpo do que na sua filosofia mais profunda.

39 — Se ficar olhando muito tempo para o abismo olhará para você.

40 — As posições extremas não são seguidas de posições moderadas, e sim de posições contrárias.

41 — Preciso de companheiros, mas de companheiros vivos, não de cadáveres que eu tenha que levar nas costas por toda parte.

42 — Eis a tarefa mais difícil: fechar a mão aberta do amor e ser modesto como doador.

43 — A arrogância por parte de quem tem mérito nos parece mais ofensiva que a arrogância de quem não o tem: o próprio mérito é ofensivo

44 — Todos os grandes pensamentos são concebidos ao se caminhar

45 — Quem não sabe guardar suas opiniões no gelo não deveria entrar em debates acalorados.

46 — Dois grandes espetáculos são muitas vezes suficientes para curar uma pessoa apaixonada.

47 — Quem declara que o outro é idiota fica chateado quando, no final, descobre que isso não é verdade.

48 — Amigos deveriam ser mestres em adivinhar e calar: não se deve querer saber tudo.

49 — Usar as mesmas palavras não é garantia de entendimento. É preciso ter experiências em comum com alguém.

50 — Estava só e não fazia outra coisa além de encontrar-se consigo mesmo. Então, aproveitou sua solidão e pensou em coisas muito boas por várias horas.

51 — A potência intelectual de um homem se mede pelo humor que ele é capaz de manifestar.

52 — Gosto dos valentes, mas não basta ser um espadachim: também é preciso saber a quem ferir. E, muitas vezes, abster-se demonstra mais bravura, reservando-se para um inimigo mais digno.

53 — De que vale o ronronar de alguém que não sabe amar, como um gato?

54 — Para chegar a ser sábio, é preciso querer experimentar certas vivências. Mas isso é muito perigoso. Mais de um sábio foi devorado nessa tentativa.

55 — O cérebro verdadeiramente original não é o que enxerga algo novo antes de todo mundo, mas o que olha para coisas velhas e conhecidas, já vistas e revistas por todos, como se fossem novas. Quem descobre algo é normalmente este ser sem originalidade e sem cérebro chamado sorte.

56 — Quem não dispõe de dois terços do dia é um escravo.

57 — O melhor meio de ajudar pessoas muito confusas e deixá-las mais tranquilas é elogiá-las de forma veemente.

58 — O homem amadurece quando reencontra a seriedade que demonstrava em suas brincadeiras de criança.

59 — Ninguém é tão louco que não possa encontrar outro louco que o entenda.

60 — Na maior parte das vezes que não aceitamos uma opinião, isso acontece por causa do tom em que ela foi manifestada.

61 — Acredito que os animais veem o homem como um ser igual a eles que perdeu, de forma extraordinariamente perigosa, a sanidade intelectual animal. Ou seja: veem o homem como um animal irracional, um animal que sorri, que chora, um animal infeliz.

62 — Antes de se casar, pergunte a si mesmo: serei capaz de manter uma boa conversa com essa pessoa até a velhice? Todo o resto é passageiro num matrimônio.

63 — É muito difícil os homens entenderem sua ignorância no que diz respeito a eles mesmos.

64 — Pobre do pensador que não é o jardineiro, mas apenas o canteiro de suas plantas.

65 — Um poeta escreveu em sua porta: “Quem entrar aqui me honrará. Quem não entrar me proporcionará um prazer”.

66 — A verdade é que amamos a vida não porque estamos acostumados a ela, mas porque estamos acostumados com o amor.

67 — O homem é a causa criativa de tudo o que acontece.

68 — Seus maiores bens são seus sonhos.

69 — Quem não sabe dar nada não sabe sentir nada.

70 — As ilusões são certamente prazeres dispendiosos, mas a destruição delas é mais dispendiosa ainda.

71 — A essência de toda arte bela, de arte grandiosa, é a gratidão.

72 — Não é raro encontrar cópias de grandes homens. E, como acontece com os quadros, a maior parte das pessoas parece mais interessada nas cópias do que nos originais.

73 — Quem não teve um bom pai deve procurar um.

74 — Os poços mais profundos vivem suas experiências lentamente: esperam um bom tempo até saberem o que caiu em suas profundezas.

75 — Quando temos muitas coisas para guardar nele, o dia tem 100 bolsos.

76 — Uma alma delicada se sente mal quando sabe que receberá agradecimentos. Uma alma grosseira se sente mal quando sabe que precisa agradecer a alguém.

77 — Não se ode odiar enquanto se menospreza. Não se pode odiar mais intensamente um indivíduo desprezado do que um igual ou superior.

78 — Quantos homens sabem observar? E, desses poucos que sabem, quantos observam a si próprios? “Cada pessoa é o ser mais distante de si mesmo.”

79 — A guerra emburrece o vencedor e deixa o vencido rancoroso.

80 — Cada mestre não tem mais que um aluno e esse aluno lhe será infiel, pois está predestinado a ser mestre também.

81 — O mundo real é muito menor que o mundo da imaginação.

82 — Se você for magoado por um amigo, diga a ele: “Eu o perdoo pelo que me fez, mas como poderia perdoá-lo pelo que fez a si mesmo?”

83 — A esperança é muito mais estimulante que a sorte.

84 — O que não nos mata nos fortalece.

85 — Quem vê mal sempre vê pouco. Quem escuta mal sempre escuta demais.

86 — Toda vez que me elevo, sou perseguido por um cachorro chamado Ego.

87 — Todo idealismo perante a necessidade é um engano.

88 — Você tem o seu caminho. Eu tenho o meu. O caminho correto e único não existe.

89 — Toda convicção é uma prisão.

90 — Nossa vida nos parece muito mais bonita quando deixamos de compará-la com as dos outros.

91 — As pessoas esquecem de seus erros depois de confessá-los ao outro, mas o outro normalmente não se esquece.

92 — Eis a fórmula da felicidade: um sim, um não, uma linha reta, uma meta.

93 — A melhor maneira de começar o dia é se comprometer a fazer feliz ao menos uma pessoa antes de o sol se pôr.

94 — A simplicidade e a naturalidade são o objetivo supremo e último da cultura.

95 — A vida não é muito curta para que fiquemos entediados?

96 — Não atacamos apenas para machucar o outro, para vencê-lo, mas, algumas vezes, pelo simples desejo de adquirir consciência de nossa força.

97 — Nossas carências são os melhores professores, mas nunca mostramos gratidão diante dos bons mestres.

98 — Quem fica remoendo alguma coisa se comporta de maneira tão tola quanto o cachorro que morde a pedra.

99 — O amor não é consolo — é luz.

Foto: Internet

Horas Rubras - Florbela Espanca

Foto: Universo - Luar em Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil


Horas profundas, lentas e caladas
Feitas de beijos sensuais e ardentes,
De noites de volúpia, noites quentes
Onde há risos de virgens desmaiadas...

Oiço as olaias rindo desgrenhadas...
Tombam astros em fogo, astros dementes,
E do luar os beijos languescentes
São pedaços de prata p’las estradas...

Os meus lábios são brancos como lagos...
Os meus braços são leves como afagos,
Vestiu-os o luar de sedas puras...

Sou chama e neve branca e misteriosa...
e sou, talvez, na noite voluptuosa,
Ó meu Poeta, o beijo que procuras!

Chá da tarde com Mário Quintana




Mário de Miranda Quintana (Alegrete, 30 de julho de 1906 — Porto Alegre, 5 de maio de 1994) foi um poetatradutor e jornalista brasileiro. 

A Rua dos Cataventos

Da vez primeira em que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.
Depois, a cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha.

Hoje, dos meu cadáveres eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada.
Arde um toco de Vela amarelada,
Como único bem que me ficou.

Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!
Pois dessa mão avaramente adunca
Não haverão de arrancar a luz sagrada!

Aves da noite! Asas do horror! Voejai!
Que a luz trêmula e triste como um ai,
A luz de um morto não se apaga nunca!

Do amoroso esquecimento

Eu agora — que desfecho!
Já nem penso mais em ti…
Mas será que nunca deixo
De lembrar que te esqueci?

Segunda canção de muito longe

Havia um corredor que fazia cotovelo:
Um mistério encanando com outro mistério, no escuro…
Mas vamos fechar os olhos
E pensar numa outra cousa…

Vamos ouvir o ruído cantado, o ruído arrastado das correntes no algibe,
Puxando a água fresca e profunda.
Havia no arco do algibe trepadeiras trêmulas.
Nós nos debruçávamos à borda, gritando os nomes uns dos outros,
E lá dentro as palavras ressoavam fortes, cavernosas como vozes de leões.

Nós éramos quatro, uma prima, dois negrinhos e eu.
Havia os azulejos, o muro do quintal, que limitava o mundo,
Uma paineira enorme e, sempre e cada vez mais, os grilos e as estrelas…
Havia todos os ruídos, todas as vozes daqueles tempos…
As lindas e absurdas cantigas, tia Tula ralhando os cachorros,
O chiar das chaleiras…

Onde andará agora o pince-nez da tia Tula
Que ela não achava nunca?
A pobre não chegou a terminar o Toutinegra do Moinho,
Que saía em folhetim no Correio do Povo!…
A última vez que a vi, ela ia dobrando aquele corredor escuro.
Ia encolhida, pequenininha, humilde. Seus passos não faziam ruído.
E ela nem se voltou para trás!

Emergência

Quem faz um poema abre uma janela.
Respira, tu que estás numa cela
abafada,
esse ar que entra por ela.
Por isso é que os poemas têm ritmo —
para que possas profundamente respirar.
Quem faz um poema salva um afogado.

Poeminho do Contra

Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!

Relógio

O mais feroz dos animais domésticos
é o relógio de parede:
conheço um que já devorou
três gerações da minha família.

Os Poemas

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.

Quando fechas o livro, eles alçam voo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem. E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

Esperança

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E — ó delicioso voo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança…
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…

Envelhecer

Antes, todos os caminhos iam.
Agora todos os caminhos vêm
A casa é acolhedora, os livros poucos.
E eu mesmo preparo o chá para os fantasmas.

Tic-tac

Esse tic-tac dos relógios
é a máquina de costura do Tempo
a fabricar mortalhas.

 Coletânea da Revista Bula

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Martín Chambi - Fotógrafo peruano gênio da fotografia

Auto retrato - Cusco - 1923

Martín Chambi Jiménez -  nasceu em Puno, Peru em 5 de novembro de de 1891 e faleceu em 13 de setembro de 1973  - Na cidade de Cusco, em seu antigo estúdio da rua Marquéz. 

Foi um fotógrafo peruano, nascido de família pobre ao norte do Lago Titicaca. tornou-se um dos gênios da fotografia. Grande especialista em fotos feitas na contra luz ou explorando a luz.

Fotografou as pessoas pobres e ricas, deixou um registro dos hábitos da cultura e sociedade peruana.

Reconhecido e aclamado em todo mundo com várias retrospectivas de sua obra. Teve trabalhos publicados em vários jornais e revistas - La Nación, na Argentina e na National Geographic

Uma mostra de seu trabalho está em exibição em São Paulo, com o título de 'FACE ANDINA". São mais de 110 fotos, entre 23 postais e 88 fotografias.

São fotos de pessoas em estúdio, em ambientes rurais e urbanos, clicados nas regiões de Arequipa, Puno e Cusco, no período de 1910 a 1960.

 "Por causa de minhas fotos, sou querido por pessoas importantes e simplórias, ricos e pobres" - Martín Chambi.

A exposição irá até o dia 2 de fevereiro de 2015
Horário: de terça a sexta, das 13h às 19h. Sábado, domingo e feriados, das 13h às 18h
Endereço: Instituto Moreira Salles – Rua Piauí, 844, 1º andar, Higienópolis
Entrada franca

Foto de Martín Chambi


Muro de las 5 ventanas - 1941  - Machu Picchu - Martín Chambi

Chambi foi um dos pioneiros em fotografar Machu Picchu, descoberta em 1911. Tenho uma reprodução dessa foto que ganhei do Sr. Valter, administrador do prédio em que morei em São Paulo
  
 Organista en la Capilla de Tinta - Cusco - 1935 - Martín Chambi

Essa é outra foto que ganhei uma reprodução do amigo Valter, em São Paulo


Machu Picchu - 1925 - Martín Chambi


Dois Gigantes Cusquenhos - 1925 - Martín Chambi


Calle Triunfo - Cusco - 1924 - Martín Chambi


Martín Chambi

Auto retrato no  alto dos Andes, ao fundo as ruínas da cidade de Machu Picchu.

“Havia conseguido ser mais um cusquenho em Cusco, querido e respeitado por pessoas importantes e simplórias, ricos e pobres. Minhas fotografias eram a causa, e minha identidade ancestral, minha inspiração”. Martín Chambi



DICA: LIVRO ENCONTRADO NA AMAZON


Martin Chambi Photographs, 1920-1950

Paperback – February 17, 1993 - AMAZON


Fotos  e pesquisa: INTERNET

terça-feira, 7 de outubro de 2014

MPQ - Música Popular de Qualidade - Pátria Minas - Marcus Viana - Paula Fernandes e Transfônica Orkestra



Vídeo enviado pelo amigo Adenir Balmant, nascido nas Gerais, estudado em Jequitibá, entre outros centros culturais.

Acariocado, virou mineiroca, educador e poeta, torcedor sofredor do FLU.

Nunca perdeu suas raízes, ainda tem ferro e aço correndo em suas veias.

"PÁTRIA MINAS", belíssima música do compositor Marcus Viana, mineiro de Belo Horizonte.




Vídeo:  YouTube

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Uma velha, disfarçada e traiçoeira conhecida. A depressão.



Vídeo YouTube - Este vídeo foi criado e publicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para ajudar pessoas que sofrem ou conhecem alguém próximo que sofre do "mal do século 21", a chamada depressão. Atualmente, a depressão afeta mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. Projecções da OMS estimam que no ano de 2030, entre todas as doenças, a depressão será a mais comum. Existem tratamentos, mas menos da metade dos afetados pela doença recebem qualquer tipo de tratamento. Como existe uma grande hipótese da depressão se tornar uma doença crônica em que a pessoa pode ficar várias vezes doente ao longo da vida, o tratamento é fundamental.

Muito se fala de depressão, mas poucos conseguem realmente entender o problema. A ilustração do artista Matthew Johnstone pode ajudar muita gente direta ou indiretamente.

TODOS DEVIAM VER E COMPARTILHAR ESTE VÍDEO!

O texto abaixo foi escrito por minha filha que corajosamente se abriu e tenta com sua atitude e tratamento adequado, exorcizar essa doença vil, que chega de mansinho e vai dominando corpos e mentes, vontades e desejos.
Ela deseja que possa ser de utilidade para a conscientização de outras pessoas que estão com depressão a buscarem ajuda especializada, apoio de amigos e família. Sobretudo, mostrar que é uma doença que tem tratamento e cura, principalmente se reconhecida e tratada imediatamente.
Para essa filha maravilhosa, batalhadora, mãe e esposa dedicada, profissional competente e sobretudo um ser corajoso, deixamos aqui, eu, minha mulher, seu irmão, marido, cunhadas(os), sobrinhos(as), tios (as), sogro e sogra, e seus amigos(as), nosso apoio a sua coragem de falar publicamente de sua doença.

Sem qualquer tentativa de glamourizar a doença, mas objetivamente como um desabafo e um alerta para todas as pessoas

Texto da Juliana postado no FB
"Ela é uma velha conhecida. Daquelas que ninguém quer encontrar ou falar sobre ela.
Ela simboliza o lado negro da força. Da vida. Uma chaga que ninguém vê mas sente. E sente em todos os órgãos do corpo. Mas ninguém entende porque a ferida não é visível.
É a falta de vontade de viver com a reação pela extrema ânsia de viver. O medo.
Talvez você já tenha encontrado com ela em algum momento da sua vida. Ou várias vezes. E a tenha negado. E se recolhido. E silenciado.
Sim, não falamos dela, nem gostamos de citar seu nome. Ela causa uma enorme vergonha.
Ela me acompanha há muitos anos. Nem sei quantos. Me debilita como um knock out num ringue.
Mas eu sou corajosa. Eu me reinvento e recomeço de novo.
É uma doença que a ferida não é visível, mas dói na alma. Provoca reações inesperadas e te faz perder amigos porque você sente tudo elevado a milésima potência, ou porque simplesmente é uma pessoa muito estranha. Desaparece, não quer falar com ninguém. Precisa se reorganizar.
Pode ter origem genética ou ser fruto de um desequilíbrio químico. Pode ser resultado de uma mudança de estações.
Só sei que parece não ter fim. E a sua sombra fica ali, esperando para voltar.
O nome disso é depressão. Falei dessa doença com poucas pessoas por vergonha. Vergonha porque eu mesma me pergunto a razão para sentir-me triste se tenho uma vida bacana, sou "saudável", chego onde quero, não me falta nada?
Porque parece fricote, bobagem, frescura comparado a problemas tão sérios de outras pessoas. Doenças as vezes sem cura. Fome. Falta de trabalho.
E esse negar a própria dor provoca mais sofrimento. Como eu, que sou exemplo de força e coragem para tanta gente posso "quebrar"? Por que eu não posso quebrar? Por que quebrar-se? São algumas elucubrações ao longo de cada crise.
Ela está aí. Resolvi falar dela, dar nome. Olhar de frente. Quem sabe ela vá de vez. Ou talvez aprenda a conviver com ela.
Sigo buscando respostas e ajuda. E decidi expor esse momento pois muita gente sofre em silêncio por vergonha ou por não saber o que se passa. E há quem chegue a extremos.
O que aprendi ao longo desses desagradáveis encontros é que preciso de ajuda. Profissional, da família, de amigos. Ninguém é forte o suficiente para lutar sozinho essa batalha.
E é viver um dia após o outro. Aos poucos ajustando a vida e essa ânsia de viver misturada a falta de vontade e o medo de viver.
E o pulso? Ainda pulsa."
Juliana Soares

Mensagens recebidas pelo FB, onde ela publicou o texto.
  • Marcia Kawase Que linda maneira de se expressar. Entendo a vergonha, o medo que se sente. Não tem regra, lei, época, motivo. 
    Um dia de cada vez. 
    Estamos juntas. De qualquer e de todo jeito.
  • Aurea Maranduba Tem mesmo que encarar e não ter medo de admitir.Isso faz parte de "ser forte", Ju.Não há por que se constranger..Força e fé!!!.Alimente-se do sorriso que você tem bem aí à sua frente.E siga em frente .Ora triste_por que não?_ ora alegre. Mas siga.Beijo .E lembre-se:tudo passa.tudo passa.(mas cuide-se).
  • Sonia L Nigri Tambem fiquei 'feliz' pela sua iniciativa e coragem. Orgulho de voce, Ju. Os principais medos e problemas tendem a diminuir quando encaramos de frente. E quando compartilhamos com pessoas queridas... Se cuida. To aqui sempre, como diz a Marcia Kawase, estamos sempre juntas. Bjos
  • Carlos Eduardo Sisso Ju, eu sim sei o que é não saber o que dizer agora.

    Não aquela forma leve com que você me escreveu ontem.

    Não saber o que dizer é essa vontade que eu tô de não dizer nada mesmo; só correr na sua direção, te dar um abraço e tentar achar um jeito de arrancar isso aí de dentro.

    Não se envergonhe do que fez.

    Você permitiu que outros pudessem ter acesso à intimidade silenciosa e solitária da sua dor, de maneira a torná-la menos solitária, menos silenciosa, menos dor.

    Por favor, se cuida.

    Se precisar, estamos todos por aqui, por aí. Você sabe quem e onde nos encontrar.

    Um beijo, minha amiga. Você vai sair dessa. Tenho certeza.
  • Clau Kogan Ju querida. Poucas vezes vi um texto tão sincero e verdadeiro. Me reconheci nas tuas palavras. Só queria te dizer que você não está sozinha. Não é preciso ter vergonha de nada, só a certeza de que, no teu íntimo, és mais forte do que este monstro que nos machuca a alma.
    Queria estar por perto para poder te dar um . abraço e conversar muito.
    Infelizmente não vamos conseguir nos ver quando você vier a SP agora, mas repito.... você é. mais forte do que ela. O Angelo me ensinou isto ... e sinceramente eu me sinto mais forte, eu comando minhas emoções e meu corpo ... nao ela ... Se precisar de alguma coisa estou por aqui e OBRIGADA por dividir teus sentimentos com a gente. Tenho orgulho de você!
  • Márcia Lage Ju, ficar doente não é sua culpa e nem motivo de vergonha. E depressão é doença! Não é fricote, nem bobagem, nem frescura e é tão sério e grave quanto qualquer outra doença. Ainda é mais cruel pq faz com q o doente se sinta pior pq não consegue "reagir", se "animar", q "não tem motivo pra sentir essa tristeza pq sua vida é tão boa", coisas ditas por pessoas q não compreendem o sofrimento q a doença causa independentemente de motivos externos. Além disso ela incapacita a pessoa de levar uma vida normal e lutar contra isso é difícil e doloroso. Nessa fase o q vc precisa, além da ajuda profissional, é de compreensão, carinho e apoio. Mesmo de longe, tô enviando tudo isso pra vc. Se cuida. Beijos.
  • Mercedes Basilio Parabéns Ju querida pela coragem!!!!!
    Sua coragem vai ajudar a muitas pessoas.
    Como Márcia Lage escreveu - não é frescura.....é doença. Vai passar!!!!
    Tudo passa!!!!
    Graças a Deus!!!!
    Mesmo de longe estou perto mandando força e carinho.
    Se cuida!!
    Bjs 
  • Juliana Soares Agradeço cada palavra de carinho. 
    Estou me cuidando direitinho. E,sim, só com força, coragem, apoio e cuidados a gente supera.
    Escrever é minha maneira de falar. E precisava transferir esses sentimentos a quem me desequilibra, a depressão.
    Senti cada abraço e isso conforta muito na dor.
    Espero, em breve, dizer que elástico foi e as cores voltaram a ser mais vivas e alegres e menos cinzas. Um beijo grande a todos.
  • Maurilo Andreas Ju, torço muito para que você tenha toda a tranquilidade, carinho e apoio do mundo para enfrentar essa luta. Um beijo muito grande. Ah, acho que esse texto deveria ser compartilhado, anonimamente ou não, para que mais pessoas possam se identificar, entender e começar sua caminhada contra a depressão sabendo que não estão sozinhos.
  • Walcira Maria Mendes Soares Coragem filha,essa é a palavra para descrever sua atitude e de enfrentar esse momento tão difícil.Ter amigos,família,mesmo que de longe,mas tão disponíveis para uma palavra de apoio e carinho é um conforto um afago,sim,nesse momento como é importante se sentir amparada,amada.Eu,sua mãe,te amo!
  • Silvana Barbara Ju, é isso. Estamos juntas. Beijo grande.
  • José Universo Soares Ju querida, falar e botar pra fora é um grande alento e sinal de que você está atenta. Você sempre foi uma lutadora e tem vencido seus desafios.Você sabe que conta nosso carinho, amor e apoio sempre. Sua coragem em compartilhar esse momento é muito importante para você, e para outras pessoas que sentem medo e vergonha de falar sobre suas necessidades. Beijo grande. Te amo.
  • Luz E Mar Rodrigues Soares Juliana, É só tristeza... Isto faz parte da nossa vida... Mas, ainda bem que passa... Pouco convivi com você... Mas, tenho convicção que você tem muitos motivos para ser feliz e agradecida. Tem um lindo filho, um dos mais belos de nossa família, um marido que parece que te ama, e é uma bela pessoa. Força!!! Console-se comigo...Tenho 66 anos e estou longe de todos os meus filhos e cuidando de uma mãe com Alzheimer... Força, vai passar... Quero te ver feliz e pondo a língua para fora... Com carinho e torcendo para que você fique bem...
  • Juliana Soares Mau Maurilo Andreas, obrigada. A idéia de escrever é justamente esta. É uma dor incompreendida e muitas vezes em silêncio. Se cada um que ler esse texto puder pedir ajuda é uma alegria para mim. A vergonha eu já perdi, portanto não preciso de anonimato. É esse anonimato que trás tanto sofrimento. Que seja compartilhado. E um graozinho de areia vai construir algo de positivo. Beijo
  • Paula Proença Ju querida, já passei por isso e é de fato terrível. Mas que Deus seja seu principal companheiro na jornada rumo ao arco-iris! Foi com Ele que saí do escuro e nunca mais voltei. Vou orar por você e pela sua plena recuperação. Um grande beijo!
  • Junia Moura Juju....minha tão amada amiga....estamos arragadas pela nossa sintonia, lembra ?!
    Há semanas e semanas que penso em te "skiper" e não sai do lugar...esse danado de fuso horario.
    Vc é iluminada de colocar pra fora esses fanstamas que ficam adormecidos e de repente se despertam, apesar de todo esse tumulto intérior vc nos dà uma bela lição de altruismo, sinceridade, coragem, lucidez, força !
    Tenho orgulho demais de vc ...Juju.....essa onda vem desequilibra um pouco os alicerces, mas ele é solido e logo vai estar de pé !
    Sinta-se muito amada......meus pensamentos estão em vc querida amiga !
    Beijo grande !
  • Renato Moraes Querida Ju, lindas suas palavras, mesmo em se tratando de algo sério e triste. Queria só lhe dizer que mesmo à distância estamos juntos pro que der e vier. Fique bem. Coragem sempre. Bjos
  • Rodrigo James Ju, muita coragem a sua! E falar é bom mesmo. Talvez te ajude muito. Apesar da distância e de nos encontrarmos poucos ao longos dos últimos sei-lá-quantos anos, tô aqui pro que puder ajudar. Bjos.
  • Thais Leal Tchutchukaaaa segura a peruca e tenha fé!!! Vc e iluminada com amor de sua familia, de seu marido e de seu presente divino que esse filhote delicinhaaaa vibre o bem e recebera o bem e a paz muita luz e brilhe porque nasceu para isso !!! Nao se esqueça disso!
  • Isabella Roscoe Ju vc não tem que se envergonhar . Já passei por isso cheguei no fundo do poço. Tenha fé que tudo vai dar certo e vc vai melhorar.
  • Cristina Rivetti Jú vc é e sempre foi corajosa e vai sair dessa mais fortalecida, busque a paz no seus amores, estamos juntos. Fé e muita paz! bjs 

Com nosso carinho e amor. Dedicamos a você essa linda música nossa garota iluminada